Alexandre Herculano

Confira o Resumo da Obra:

+ A Abóboda
+ A Morte do Lidador
+ Eurico, o Presbítero


  

Conheça mais sobre o Autor (a) : Alexandre Herculano

Intelectual português nascido em Lisboa, personalidade das mais significativas da literatura e da história em Portugal no século XIX e pioneiro do liberalismo romântico e de um catolicismo renovado. De origem modesta, estudou na Congregação do Oratório e fez curso de diplomática na torre do Tombo. Na juventude envolveu-se em manifestações antiabsolutistas, foi perseguido e refugiou-se na Inglaterra e na França, onde se ocupou de pesquisas históricas. Voltou a Portugal (1832), aliou-se aos liberais e criou o semanário Panorama (1837), no qual publicou estudos e a primeira versão de seus contos e romances.

Apaixonado pela história de sua terra e pelos costumes de seu povo, com uma abordagem econômica e social dos fatos históricos, publicou História de Portugal (1846-1853), em quatro volumes, é um dos mais sérios trabalhos da historiografia européia de seu tempo e focaliza criticamente os primeiros séculos da Idade Média em seu país. Historiador rigoroso, preocupado com a veracidade dos dados, a confiabilidade das fontes, sob o patrocínio da Academia Real das Ciências de Lisboa, viajou pelo país e publicou Portugaliae monumenta historica (1856-1867), sobre os Monumentos históricos de Portugal.

Antiabsolutista convicto e sempre na oposição e criticando o governo nos jornais, desiludiu-se com a política, rejeitou grandes cargos e honrarias, casou-se (1867), foi morar no campo e, como lavrador, morreu em sua quinta de Val-de-Lobos. Em sua autêntica ficção histórica e romântica publicou Eurico o presbítero (1844), O monge de Cister (1848), Lendas e narrativas (1851) e o incompleto O bobo (1878) que se tornaram livros fundamentais da cultura portuguesa.

Apesar de profundamente católico não se esquivou na hora de criticar e enfrentar determinados procedimentos como nos argumentos científicos contra algumas lendas religiosas em Cartas sobre a história de Portugal, publicadas na Revista Universal Lisbonense (1842), e com Da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal (1854-1859). Demonstrou sua forte crença em livros de poesias como A voz do profeta (1836) e A harpa do crente (1838).

Fonte: http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/